Versão 1.1.122.20 – Questor Tributário

Liberamos a versão 1.1.122.20 do Questor Tributário. Para analisar a documentação das alterações e implementações ocorridas nesta versão clique aqui.

Postado em Nova Versão, Questor Tributário | Tags , , | Deixe seu comentário

Versão 1.1.122.10 – Questor Tribuário

Liberamos a versão 1.1.122.10 do Questor Tributário. Para analisar a documentação das alterações e implementações ocorridas nesta versão clique aqui.

Postado em Nova Versão, Questor Tributário | Tags , , | Deixe seu comentário

Versão 1.1.122.10 – Questor Imobiliário

Liberamos a versão 1.1.122.10 do Questor Imobiliário. Para analisar a documentação das alterações e implementações ocorridas nesta versão clique aqui.

Postado em Nova Versão, Questor Imobiliário | Tags , , | Deixe seu comentário

Versão 1.1.122.1 – Questor Tributário

Liberamos a versão 1.1.122.1 do Questor Tributário. Para analisar a documentação das alterações e implementações ocorridas nesta versão clique aqui.

Postado em Nova Versão, Questor Tributário | Tags , , | Deixe seu comentário

2ª Edição do Questor News

No dia 15/05, foi realizada a entrega da 2ª Edição do Questor News.

Magazine Mockup Cover Opening - freebie - originalmockups.com

Nosso informativo interno e impresso foi entregue aos colaboradores do Questor, que puderam acompanhar notícias sobre os treinamentos, eventos, palestras, aniversariantes, integração, novos colaboradores, etc. Além destas pautas também foi divulgado o espaço do colaborador e a dica de viagem!

Esperamos que a comunicação com nosso público interno seja fomentada ainda mais, tornando este canal uma ferramenta de aproximação com nossos funcionários.

Postado em Comunicados, Questor Sistemas | Deixe seu comentário

Questor Sistemas participa do primeiro evento regional deste ano do Sescon-SP

ribeirão preto 1_ed

As constantes alterações e novidades tecnológicas, fiscais, tributárias e legislativas exigem um novo perfil para a Contabilidade, que vive hoje um momento de transformação ao se tornar peça chave para a gestão e desenvolvimento dos empreendimentos e do País.

Para auxiliar os empresários contábeis a atender esta nova dinâmica de mercado, além de apresentar temas técnicos e de gestão fundamentais para o dia a dia das organizações, o SESCON-SP promoveu na sexta-feira, 15 de maio, durante todo o dia, o VIII Encontro das Empresas de Serviços Contábeis de Ribeirão Preto, Araraquara, Bauru e Piracicaba, que abriu o ciclo de eventos regionais programados para 2015.

ribeirão preto 2_ed

O Questor Sistemas esteve participando da feira de negócios, apresentando suas soluções para agilizar e ajudar as organizações contábeis nos seus processos diários.

O evento reuniu cerca de 450 participantes. A próximo edição acontece dia 24 de julho em Marília (SP).

Postado em Questor Sistemas | Deixe seu comentário

Nota Técnica nr. 008/2015 – Liberada a ECF

Prezado Cliente,

Em nossa Versão 1.1.122.0, liberada dia 14/05/2015, disponibilizamos a tão aguardada ECF – Escrituração Fiscal Digital, obrigação regulamentada pela Lei n. 12.973. Através da Instrução Normativa RFB 1.422/2013 ficou estabelecido que a partir do ano-calendário de 2014, todas as pessoas jurídicas, inclusive as equiparadas, deverão apresentar a ECF de forma centralizada pela matriz. A obrigatoriedade da entrega da ECF não se aplica:

I – às pessoas jurídicas optantes pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Simples Nacional), de que trata a Lei Complementar nº 123/2006;

II – aos órgãos públicos, às autarquias e às fundações públicas; e

III – às pessoas jurídicas inativas; e

IV – às pessoas jurídicas imunes e isentas que, em relação aos fatos ocorridos no ano-calendário, não tenham sido obrigadas à apresentação da Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep, da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e da Contribuição Previdenciária sobre a Receita (EFD-Contribuições), nos termos da Instrução Normativa RFB nº 1.252, de 1º de março de 2012.

Com o objetivo de auxiliar nossos clientes com essa nova obrigatoriedade, disponibilizamos em nossa Central do Cliente Questor cursos sobre o assunto, não deixe de participar!

25/05/2015 – ECD – Escrituração Contábil Digital
26/05/2015 – ECF – Escrituração Contábil Fiscal

Devido a grande procura, para o mês de Junho teremos novos cursos sobre esse tema e ainda, na Central do Cliente Questor, estaremos liberando uma vídeo-aula.
Salientamos que todos os cursos ministrados pela equipe Questor são exclusivos e gratuitos aos seus clientes.

E também, um passo a passo facilitando a ambientação do cliente com essa nova obrigatoriedade no Questor: http://blog.questor.net.br/2015/05/ecf-escrituracao-contabil-fiscal-passo-a-passo/

Equipe Questor Sistemas.

 

Postado em NotificarUsuarioQuestor | Comentários desativados

ECF – Escrituração Contábil Fiscal (Passo a Passo)

Introdução a ECF – Escrituração Contábil Fiscal

ECF foi regulamentada pela Lei 12973

Quem está obrigados a entrega da ECF?

Através da Instrução Normativa RFB 1.422/2013 ficou estabelecido que a partir do ano-calendário de 2014, todas as pessoas jurídicas, inclusive as equiparadas, deverão apresentar a Escrituração Contábil Fiscal (ECF) de forma centralizada pela matriz.

A obrigatoriedade da entrega da ECF não se aplica:

I – às pessoas jurídicas optantes pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Simples Nacional), de que trata a Lei Complementar nº 123/2006;

II – aos órgãos públicos, às autarquias e às fundações públicas; e

III – às pessoas jurídicas inativas; e

IV – às pessoas jurídicas imunes e isentas que, em relação aos fatos ocorridos no ano-calendário, não tenham sido obrigadas à apresentação da Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep, da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e da Contribuição Previdenciária sobre a Receita (EFD-Contribuições), nos termos da Instrução Normativa RFB nº 1.252, de 1º de março de 2012.

Observações Importantes:

Fcont quem deve entregar?

Na DCTF do mês de dezembro 2013 existe uma opção se empresa é optante pela lei 12973 Parcial, Total ou Não Optante.

  • Quem Optou pela Totalidade da lei esta dispensada de entregar o Fcont
  • Quem Optou pela parcialidade da lei a receita não clara sobre entrega do Fcont
  • Quem Não Optou pela lei 12973 deve entregar Fcont/ECD/ECF

Fcont: Prazo de entrega se encerra no dia 30/06/2015 as 23:59 minutos
Sped Contábil(ECD):  Prazo de entrega se encerra no dia 30/06/2015 as 23:59 minutos
Muito importante orientar o cliente a fazer primeiro a entrega do arquivo do ECD para depois entregar o arquivo da ECF.
O arquivo ECD pode ser recuperado na ECF (No manual cita que é obrigatório quando é feita entrega da ECD, mas no validador esta dando apenas Advertência)
ECF no Questor

1º Passo: Relacionar Plano Referencial com Plano da Empresa (Padrão/Especifico)
Este Relacionamento é feito no Modulo Contábil
Cadastro\Plano de Contas Outros\Plano Referencial por Empresa
Cadastro\Plano de Contas Outros\Relacionar Plano Padrão\Plano Referencial
Cadastro\Plano de Contas Outros\Relacionar Plano Específico\Plano Referencial

2º Passo: Fazer Opção pela ECF

A opção é feita no modulo Fiscal
Impostos\Federais\ECF (IRPJ e CSLL)\Optante pela ECF
Nesta rotina que é definido qual é forma de Tributação da Empresa

3º Passo: Configurações para Apuração dos Impostos (IRPJ e CSLL)
Se forma de tributação foi Definida foi Lucro Real
Então devemos fazer a configuração em: Impostos\Federais\ECF (IRPJ e CSLL)\Lucro Real
Vai existir duas Configurações, que são:
Configurar Regras Fiscais
Esta configuração só sera usada se na Opção ECF foi definido Regime de Apuração = Mensal e a Forma Determinação = Receita Bruta
Configurar Regras Contábeis
Esta configuração só sera usada se na Opção ECF foi definido Regime de Apuração = Trimestral ou Mensal e a Forma Determinação = Trimestral ou Balancete de Suspensão ou Redução

4º Passo: Apuração da ECF – Empresa do Lucro Real com Prejuízos a Compensar
Ao fazer Apuração da ECF pela primeira fez o sistema vai retornar uma mensagem de aviso, este aviso tem intenção de alertar o usuário para informar saldo inicial do prejuízo acumulado de período anteriores.
Este saldo inicial deve ser lançado no cadastro IRPJ/CSLL – Identificação da Conta Parte B do menu Impostos\Federais\ECF (IRPJ e CSLL)\Lucro Real, será permitido fazer apuração da ECF e do Lucro Real ou Presumido (DIPJ), ao mesmo tempo.
Porque está permissão:
Como vamos precisar reapurar períodos anterior, é um segurança para cliente, desta forma ele não precisa esperar versão de correção para conferencia de valores.

5° Passo: Conferencia nos Demonstrativos da Apuração
Os demonstrativos foram implementados para simular o que cliente o que será considerado na escrituração da ECF.

6º Passo: Configuração da ECF para Geração do Arquivo
Esta rotina será usada para definir a parametrização das informações geradas no arquivo da ECF, a mesma deve ser feita no Modulo Fiscal na opção – Escrituração Contábil Fiscal localizada no menu Configurações\Configuração ECF .

7º Passo: Geração do Arquivo da ECF
O arquivo deve ser gerado no Modulo Fiscal, opção  ECF – Escrituração Contábil Fiscal do menu Arquivos\Federais.

Mais informações sobre Lei 12973: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/Lei/L12973.htm

 

Postado em Sem categoria | Tags , , , , , | Comentários desativados

Testadores também erram

Planos de teste, casos de teste, projetos de teste, roteiros de teste, cenários de teste, scripts automatizados, relatórios, incidentes, mapas mentais, tasks, checklists, etc. Artefatos criados por testadores, que possuem uma série de regras e informações relevantes que podem conter defeitos.

Podemos elencar uma série de defeitos que geralmente são encontrados em artefatos de teste quando estes não passam por revisão, tais como: falta de clareza ao explicar como e o que deverá ser testado, informações fora do escopo do teste, dados incorretos, informações irrelevantes, condições impossíveis de serem executadas, condições que não foram exercitadas, condições de teste inexistentes, ações contrárias ao que foi definido nos requisitos, etc.

Vemos que o defeito gerado pelo testador também tem um preço elevado caso seja identificado na fase de execução dos testes, por exemplo, um testador cometeu um erro ao elencar uma condição de teste durante a análise e modelagem, e foram escritos 30 casos de teste a partir desta condição de teste que foi mal escrita. Neste caso, todo o esforço e investimento de criação, execução e relato de falhas encontradas provavelmente serão perdidos, uma vez que tudo foi baseado em uma condição errada.

Uma maneira de evitar este tipo de problema é revisar os artefatos de teste com o objetivo de encontrar o maior número de defeitos possíveis nos artefatos, antes que estes sejam utilizados como base para criação de outros artefatos ou para execução dos testes. Evitando assim o esforço com planejamento e execução de testes desnecessários e o investimento financeiro que seria empregado a estas ações.

Como e o que revisar?

Segundo o Syllabus, revisões podem ser desde pouco a muito formais e podem ser utilizadas para verificar qualquer tipo de artefato.

Revisões pouco formais são as que você, após a criação de um artefato, entrega-o a outro testador experiente e este por sua vez, faz uma análise sobre o artefato com o objetivo de encontrar defeitos.

Já a revisão muito formal, conhecida como inspeção, é uma reunião onde diversas pessoas são envolvidas, cada uma com um papel específico onde um número maior de artefatos é revisado ao mesmo tempo. Inspeções podem ter mais que um objetivo, por exemplo: encontrar defeitos, obter conhecimento sobre um assunto, verificar a estrutura dos artefatos, verificar erros de ortografia e gramática, etc.

O tipo de reunião é definido com base em algumas variáveis, como: tempo disponível, experiência dos testadores, objetivo da revisão, histórico de defeitos em artefatos de teste, complexidade da aplicação que será testada, cláusulas contratuais, etc.

Podemos identificar o que será revisado usando, mas não limitando-se a algumas das variáveis citadas no parágrafo acima, por exemplo: a) se temos pouco tempo para testar, poderíamos revisar apenas os artefatos de teste que possuem o maior risco de apresentar defeitos; b) se os ciclos de teste anteriores têm revelado uma série de problemas na escrita de casos de teste, com certeza neste ciclo seria ideal revisar todos os artefatos gerados; c) se existe um requisito contratual exigindo que todos os artefatos sejam revisados, o esforço de teste deverá incluir tempo para revisar cada artefato desenvolvido.

Quem testa o meu teste?

Os revisores dos artefatos de teste geralmente são os próprios testadores, mas em alguns casos, o revisor pode ser alguém com o domínio da regra de negócio ou alguém com perfil técnico.

Por exemplo, se o objetivo é verificar a estrutura e padrões dos artefatos, os revisores podem ser os próprios testadores; se o objetivo é verificar as condições que serão testadas, os testadores mais experientes ou analistas de negócio poderiam revisar os artefatos; já se o objetivo é verificar características dos ambientes que serão utilizados nos testes, talvez analistas de sistema ou mesmo profissionais responsáveis pelo ambiente de teste poderiam ser os revisores. Como vemos, tudo vai depender de qual é o objetivo da revisão.

Revisores experientes podem, inclusive, identificar novos cenários, condições e estratégias de teste, fazendo com que os artefatos consigam atingir uma cobertura de testes mais ampla.

A escolha incorreta de revisores pode arruinar uma revisão, uma vez que eles são personagens essenciais para o sucesso desta atividade.

Ler apenas não é suficiente

Para que obtenhamos sucesso nas revisões é necessário que o revisor tenha foco e olhar crítico durante a execução da revisão. A simples leitura dos artefatos de teste dificilmente revela defeitos relevantes, por isso, faz-se necessário tentar encontrar informações errôneas nas entrelinhas, por exemplo: informações ambíguas ou incompletas, fluxos impossíveis, informações duplicadas, requisitos inválidos, escrita incorreta, erros de ortografia e gramática, informações de difícil compreensão, informações desatualizadas, dados incorretos, conteúdo duvidoso ou mesmo, concepções pessoais sobre o produto.

É uma tarefa difícil e como vimos exige concentração e experiência sobre o artefato e o conteúdo que está sendo revisado. A utilização de checklists, que são listas de itens a serem verificados, pode facilitar a procura por defeitos comuns ou recorrentes, servindo como um guia para o revisor durante a atividade de revisão dos artefatos.

É preciso ter maturidade

Os autores dos artefatos de teste que serão revisados precisam ter maturidade ao receber os relatos dos defeitos encontrados e aprender com eles ao invés de tomar isto como um ataque ao seu profissionalismo.

Ninguém está livre de cometer erros, a maturidade está em aceitá-los e conseguir extrair lições e experiências que estas situações proporcionam.

Fonte: http://www.qualister.com.br/blog/testadores-tambem-erram

Postado em Outros | Tags , , | Comentários desativados

Versão 1.1.122.0 – Questor Imobiliário

Liberamos a versão 1.1.122.0 do Questor Imobiliário. Para analisar a documentação das alterações e implementações ocorridas nesta versão clique aqui.

Postado em Nova Versão, Questor Imobiliário | Tags , , | Comentários desativados